domingo, 6 de junho de 2010

dezvezesnada: Socorro, em 2010 vou "importar" 1 semana de férias!

dezvezesnada: Socorro, em 2010 vou "importar" 1 semana de férias!

Socorro, em 2010 vou "importar" 1 semana de férias!

Hoje, enquanto circulava calmamente na AE2, ouvi as declarações de S. Exª, o Presidente da República, dizer: "...férias no estrangeiro são importações, e isso aumenta a dívida externa do Pais..."! Pasmada, aumentei o volume do rádio, só para ter a certeza que não tinha ouvido mal. Infelizmente, ouvi muito bem...
Pus-me a pensar: eu vou uma semanita de férias para o estrangeiro, e por causa da crise, não tenho dinheiro para comprar nada lá fora para trazer cá para dentro.
O que raio estou eu a importar que aumenta a dívida externa do País?...
Vou viajar na TAP, uma empresa Portuguesa que precisa de passageiros para fazer face à crise; não vou comprar nada; gastar dinheiro em comida e transportes no estrangeiro, 6 diazitos, (e porque estou a dieta vou comer pouco e andar muito a pé), implicará gastar o quê? 400,00 euros? Ora, não será certamente esse montante que irá desiquilibrar a balança entre as exportações e as importações.
Claro que sempre se poderá dizer que os 400,00 euros gastos lá fora podiam ser gastos cá dentro, mas, em bom rigor, isso significaria que o dono do Hotel onde eu me hospedasse não despedia os trabalhadores contratados a prazo no fim do verão?; ou significaria que por eu ficar cá, e fosse de comboio para o Algarve, a CP já não seria privatizada?
Bem, não percebo mesmo nada de economia...
Mas acho que para diminuir a diferença entre as importações e exportações, talvez não devessem os Governos liderados pelo nosso Presidente da República nos idos anos 80/90, ter deixado morrer os têxteis; a indústria do calçado; a indústria naval; a produção de aço na Siderurgia Nacional;
Talvez que se os produtores de leite dos Açores não fossem obrigados a deitar fora os execedentes, talvez se não tivessemos recebido dinheiro para abater olival, barcos de pesca, vinha, não fosse necessário comprar 60% ao estrangeiro e pudessemos exportar mais 30 ou 40% do que exportamos.
Aprendi, na Escola Alfredo da Silva, há muitos anos atrás, que o equilibrio entre exportações e importações é fundamental para uma economia saudável.
Não quero prescindir dos meus 6 diazitos lá fora, egoisticamente, reconheço, mas acho que S.Exª o nosso Presidente da República, deve preparar-se para que os Presidentes dos outros Países façam o mesmo apelo aos seus cidadãos.
Assim, nós não saímos para o estrangeiro, mas os estrangeiros também não vinham para cá, porque a crise é Europeia e os Franceses, Alemães, Ingleses, também não se podem dar ao luxo de fazer "importações" de semanas de férias que façam desiquilibrar as suas balanças e perigar as suas economias.
Por cá, para evitar o excesso de importações, vamos deixar de comprar produtos Israelitas, por exemplo?

terça-feira, 1 de junho de 2010

Há dias em que não gosto de "tugas"!

O tuga é aquele que circula na AE a 60/km Hora; estaciona em local público, ocupando dois lugares quando sabe que há falta de lugares para estacionar;ultrapassa pela direita; em cima da passadeira; liga a música em altos berros, porque gosta muito daquela em especial e toda a vizinhança tem que gostar;fala e ri mais alto do que toda a gente à sua volta, só porque gosta muito de si próprio; faz um escândalo no restaurante, porque o empregado demorou muito a atende-lo; faz uma bela de uma "peixeirada" (sem qualquer desrespeito pelas peixeiras)em qualquer lugar público só porque determinada situação não lhe agradou;"espeta" o dedo no cara do seu interlocutor para fazer valer o seu ponto de vista, em tom professoral, fazendo com que o interlocutor se sinta uma criança repreendida em público;afirma, alto e bom som que é um intelectual de craveira internacional, que já escreveu, já leu, já foi à ópera, já viajou imenso, conhece muita cultura, muita religião, tem sempre opinião sobre tudo, mas não faz NADA; tuga é aquele animalzinho que acha que cada vez que o Benfica ganha lhe saiu o Euro milhões; que acredita em Deus, mas lixa constantemente o vizinho do lado, acredita na virtude, na moral e nos bons costumes, mas trai, engana, burla os outros, quer sejam conhecidos, amigos ou simplesmente desconhecidos; entope as caixas de correio electrónico de todos os amigos com as mais pirosas e estúpidas máximas Brasileiras (tudo bem, os amigos também servem para isso); envia um número indeterminado e interminável de vídeos e fotos pornográficas ou eróticas para todos os seus contactos "macho" ou companheiras dos ditos "macho", bate com a mão no peito e diz que "a mim ninguém me engana"; é o mais esperto, o mais inteligente, o melhor profissional, tem a melhor mulher e a melhor amante dos arredores; os seus filhos são uns génios incompreendidos porque bateram no professor e foram castigados; contesta as teorias dos outros, porque só a dele é que é a certa;vota e elege, mas chama "ladrão" aquele que acabou de eleger; queixa-se do Estado não lhe resolver o problema dele, mas pratica fuga ao fisco, não paga as multas, não se deixa citar quando é demandado, mas critica formentente a justiça porque tem "mão branda" para os criminosos; diz que é democrata mas que Portugal precisa de um novo Salazar;
Pois, pois!. Os tugas são assim, e os Governantes dos "tugas" são assim.É um caso de sucesso em política.
Por isso tem dias, que não gosto nada de "tugas".